0

Investidor do Spotify espera IPO nos próximos anos

10 dez 2012
13h48
atualizado às 15h32

O investidor nórdico do setor de tecnologia Northzone, um dos primeiros a apostar no serviço de música online Spotify e seu maior acionista após os fundadores da empresa, espera ver uma oferta pública inicial de ações da companhia nos próximos anos.

O Spotify tem 20 milhões de usuários ativos no mundo, alta de 33% em menos de seis meses, e possui cerca de 5 milhões de usuários entre assinantes que pagam para ouvir música sem comerciais.

"Nós, Northzone, assumimos que a maneira mais lógica para construir um negócio de longo prazo seria um IPO para a companhia num prazo de alguns anos", disse Par-Jorgen Parson, sócio da Northzone e membro do conselho da Sportify. "Mas, no final do dia, cabe principalmente aos fundadores decidirem como desenvolver melhor a companhia no longo prazo", acrescentou.

O presidente-executivo da Spotify, Daniel Ek, um empresário sueco de 29 anos que fundou a empresa em 2006 com Martin Lorentzon, excluiu anteriormente neste ano abertura de capital da empresa. A Spotify afirmou recentemente que pagou mais de US$ 500 milhões à indústria da música desde seu lançamento, quantia que mais que dobrou nos últimos nove meses.

"Demorou um longo tempo para a companhia ser totalmente aceita pelas gravadoras porque eles eram no começo muito pequenos e ofereciam um modelo de negócios novo e ainda não testado", disse Parson. "Mas agora que se tornou público que a Spotify é a segunda maior fonte de receita em escala global para a indústria da música... Eu prevejo que eles vão se tornar o maior serviço em alguns anos", acrescentou.

Informações publicadas recentemente pela imprensa afirmaram que o Spotify está no meio de uma rodada de financiamento de US$ 100 milhões que pode avaliar a companhia como valendo pouco mais de US$ 3 bilhões. Parson negou comentar o assunto.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade