Negócios e TI

publicidade
16 de julho de 2012 • 16h10 • atualizado às 17h04

Nokia corta preços antes de balanço e preocupa investidores

O preço do smartphone Lumia 900 (na foto) foi reduzido pela metade nos EUA no final de semana, a fim de atrair consumidores
Foto: Reuters
 

A ação da Nokia caiu mais de 3% nesta segunda-feira após a companhia reduzir o preço de seu principal smartphone, decisão vista por investidores como um sinal de desespero na disputa contra Apple e Samsung.

Analistas também citaram cautela antes da divulgação do balanço do segundo trimestre fiscal na quinta-feira, para quando é esperado um aumento do prejuízo da segunda maior fabricante de celulares do mundo.A Nokia, que já foi a empresa líder do mercado de celulares, demorou tempo demais para oferecer smartphones e foi superada por Apple e Samsung no segmento mais lucrativo desse mercado.

A Nokia reduziu o preço do Lumia 900 nos Estados Unidos pela metade no final de semana para tentar atrair clientes que hoje consomem produtos de rivais.

"Eles estão presos entre duas situações ruins - para impulsionar as vendas de seus aparelhos, terão de gastar dinheiro com marketing e promoções mas, ao mesmo tempo, a última coisa que investidores querem que eles façam é gastar dinheiro", disse o analista Nick Dillon, da Ovum.

Analistas estimam que a Samsung tenha vendido 50 milhões de smartphones no segundo trimestre, segundo pesquisa da Reuters nesta segunda-feira. Em comparação, o levantamento identificou que a Apple deve ter vendido cerca de 30 milhões de iPhones e a Nokia, 10 milhões de smartphones.

A ação da Nokia fechou com alta de 0,66%, após ter recuado mais de 3% no início do pregão, flutuando próximo à mínima em 16 anos atingida na semana passada.

A previsão de analistas é de o prejuízo líquido da Nokia quase dobre, para 706 milhões de euros (US$ 864,4 milhões), segundo pesquisa da Reuters com 38 analistas.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.