4 eventos ao vivo

Presidente da Telebrás: "É preciso massificar a banda larga"

8 jun 2010
17h00
atualizado às 17h29

O presidente da Telebrás, Rogério Santanna dos Santos, defendeu nesta terça-feira, em Porto Alegre (RS), que é preciso massificar no país o acesso à banda larga, hoje concentrado nos estados das Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Segundo ele, todavia, o custo ainda é muito alto. "O gasto com a banda larga na renda mensal per capita no Brasil representa 4,5%, o que equivale a um gasto cinco vezes maior do que no Japão", disse.

Santanna disse que no país as conexões com banda larga estão concentradas nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste
Santanna disse que no país as conexões com banda larga estão concentradas nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste
Foto: Divulgação

Convidado do Meeting de Tecnologia, promovido pela Federasul para discutir o Plano Nacional de Banda Larga, Santanna lembrou que em 2009 o preço médio praticado pelas operadoras de banda larga no país era de R$ 49 por uma velocidade média de 256 Kbps de velocidade, que beneficiava 11.999 milhões de residências. A projeção é de que até 2014 o preço diminua para até R$ 10, sem contar o ICMS, que varia por Estado, com uma velocidade de 512 Kbps (com limitação de download), chegando a 39.805 milhões de residências.

Atualmente, 184 cidades brasileiras estão conectadas por banda larga, atingindo um total de 83 milhões de pessoas, segundo estudo Net Embratel. Com o Plano Nacional de Banda Larga, de acordo com o presidente da Telebrás, haverá regulação e normas de infraestrutura, incentivos fiscais e financeiros ao serviço, uma política produtiva e tecnológica e uma rede nacional ampliada.

"Assim, poderemos aumentar a competitividade do setor, diminuir preços do usuário final e aumentar a disponibilidade de infraestrutura", defendeu.

O Plano Nacional de Banda Larga será debatido no Fórum Brasileiro Digital, marcado para o próximo dia 23, com a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Fonte: Redação Terra

compartilhe

publicidade
publicidade