Negócios e TI

publicidade
27 de abril de 2012 • 12h54 • atualizado às 13h41

Trabalhadores de fábrica da Foxconn protestam na China

Taiwanesa é a principal fabricante de produtos da Apple
Foto: Reuters
 

Trabalhadores de uma fábrica chinesa controlada pela Foxconn, principal fabricante de produtos da Apple, ameaçaram saltar do alto de um edifício em protesto pelos baixos salários, um mês depois de as duas companhias anunciarem um acordo histórico quanto à melhora das condições de trabalho.

O protesto aconteceu em Wuhan, no centro da China, em uma das fábricas da Foxconn. A companhia emprega cerca de 1,2 milhão de pessoas no país, e monta iPhones, iPads e outros produtos. A manifestação envolvia cerca de 200 operários, disse o Information Centre for Human Rights, um grupo de ativistas de Hong Kong.

Um porta-voz da Hon Hai Precision Industry, a controladora do grupo Foxconn, declarou que o protesto se referia a ajustes no local de trabalho e envolvia novos operários na fábrica. Afirmou que não se tratava de uma greve. "A disputa já foi resolvida, após negociações envolvendo os departamentos jurídico e de recursos humanos, bem como o governo local", disse Simon Tsing, porta-voz da companhia em Taiwan.

A Foxconn, maior empregadora do setor privado chinês, e a Apple fecharam acordo para tratar de violações de condições de trabalho e para a melhora do ambiente dos trabalhadores. O acordo foi fechado quase dois anos depois que uma série de suicídios de operários em fábricas da Foxconn atraíram atenção para as condições de trabalho nas fábricas chinesas e geraram críticas de que os produtos da Apple dependiam da exploração de operários chineses.

Na terça-feira, a Apple reportou alta de quase 100% em seu lucro trimestral depois de uma disparada nas vendas do iPad, superando com folga as expectativas do mercado financeiro. Tsing não quis revelar quantos funcionários se envolveram na mais recente disputa. Ele disse que nenhum deles havia saltado do edifício.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.