inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Veto a fotos de amamentação no Facebook causa protestos

30 de dezembro de 2008 10h47 atualizado às 11h21

A rede social Facebook deflagrou um imenso debate online - acompanhado de protestos - depois de remover fotos que expunham em demasia o seio de uma mulher amamentando.

» Site quer censurar vídeos "picantes"
» MIT cataloga clipes removidos da web
» Site proíbe vídeos de armas no Reino Unido
" Fórum: opine sobre o veto a fotos de amamentação

Barry Schnitt, porta-voz do Facebook, disse que o site em geral não toma nenhuma atitude com relação a fotos de amamentação, desde que elas respeitem seus termos de uso, mas informou que algumas são removidas para garantir que o site continue apropriado para todos os usuários, incluindo crianças.

"Fotos que contenham um seio completamente exposto (ou seja, envolvam exibição de mamilo ou auréola) constituem violações desses termos (quanto a material obsceno, pornográfico ou sexualmente explícito) e podem ser removidas", informou em comunicado.

"As fotos com relação às quais agimos chegam a nosso conhecimento quase exclusivamente por reclamações de outros usuários", o comunicado acrescentou.

Mas a decisão do Facebook de remover algumas fotos de amamentação irritou alguns usuários, entre os quais a norte-americana Kelli Roman, mãe que teve uma foto que a mostrava alimentando a filha removida pelo Facebook.

Roman é uma das administradoras de uma petição online intitulada "Ei, Facebook, amamentar não é obsceno", que ganhou força na semana passada depois que as manifestantes organizaram uma "amamentação de protesto" no Facebook e realizaram uma pequena manifestação diante da sede da empresa, em Palo Alto, Califórnia.

A petição já obteve mais de 80 mil assinaturas e mais de 10 mil comentários, e voltou a despertar um velho debate sobre os prós e contras da amamentação em locais públicos.

Os organizadores da petição informaram que algumas mulheres foram instruídas a não postar de novo as fotos removidas de suas páginas ou correriam o risco de ser excluídas da rede social.

O Facebook, que tem 120 milhões de membros, se mantém firme em sua decisão.

Schnitt disse que a empresa tentou colocar um anúncio em diversas publicações norte-americanas que mostrava uma mulher com o seio completamente exposto amamentando um bebê. Nenhuma delas aceitou.

"Um jornal e o Facebook são obviamente diferentes, mas o motivo subjacente para as normas de conteúdo é o mesmo", disse à Reuters.

Reuters
Reuters - Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.