inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Jornal: fundador do WikiLeaks está escondido no Reino Unido

02 de dezembro de 2010 07h29 atualizado às 08h30

Procurado pela Interpol, Julian Assange, o fundador do WikiLeaks, apelou na Jusiça sueca contra ordem de prisão. Foto: AP

Procurado pela Interpol, Julian Assange, o fundador do WikiLeaks, apelou na Jusiça sueca contra ordem de prisão
Foto: AP

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, sobre quem pesa uma ordem de detenção internacional emitida pela Interpol, está escondido no Reino Unido, detalha nesta quinta-feira o jornal The Independent.

Scotland Yard está há mais de um mês em contato com os advogados do acusado e só espera receber instruções para fazer a detenção, diz a publicação.

Assange, 39 anos, de nacionalidade australiana, deu à Polícia Metropolitana seus dados quando chegou ao solo britânico em outubro passado. Fontes policiais confirmaram ao jornal que têm seu telefone e onde se encontra.

A Agência contra Crimes Organizados Graves (Soca, na sigla em inglês) recebeu ordem da Interpol, mas até agora não autorizou detenção, sem a qual a polícia britânica não pode atuar.

Segundo o periódico, acredita-se que Assange esteja escondido em algum lugar ao sudeste da Inglaterra.

A demora em detê-lo tem aparentemente causa técnica: a Soca solicitou esclarecimentos sobre a ordem de detenção emitida pela Justiça da Suécia, que o procura por suspeita de violação e assédio sexual, o que ele nega.

Amigos de Assange afirmam que ele tem se ocupado nos últimos dias tentando proteger o portal do WikiLeaks de diversos ataques de hackers.

Na quarta-feira à noite se soube que a Amazon tinha cedido às pressões do Senado americano e deixou de acolher WikiLeaks em seus servidores, ao qual Assange havia recorrido temporariamente.

Os amigos do fundador do WikiLeaks se negaram a revelar seu atual paradeiro devido às ameaças de morte recebidas.

Sua equipe de defesa, do qual faz parte o britânico Mark Stephens, apresentou recurso ao mais alto tribunal sueco para impedir extradição ao país.

Stephens acusou na quarta-feira à noite a Justiça sueca de não ter cumprido as obrigações legais mínimas como informar as acusações da qual é alvo.

"Como a Suécia é um país civilizado, sou obrigado a concluir que não se tenta um processo legal contra ele, mas uma perseguição", declarou Stephens.

"Nada indica que (Assange) seja um fugitivo. A Polícia e os serviços de segurança sabem perfeitamente onde ele está", acrescentou seu defensor.



EFE
EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.