inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Diga adeus ao código de barras

Os códigos de barras serão substituídos por um dispositivo baseado num microchip que armazena dados e se comunica por meio de ondas de rádio com um .... Foto: EFE

Os códigos de barras serão substituídos por um dispositivo baseado num microchip que armazena dados e se comunica por meio de ondas de rádio com um aparelho de leitura
Foto: EFE

A substituição do popular código de barras, que revolucionou a atividade comercial e se estendeu a inúmeras atividades, é só uma questão de tempo. O que o substituirá é um dispositivo baseado em um microchip que armazena dados e se comunica por meio de ondas de rádio com um aparelho leitor.

  • Rótulos transmitem dados por sinais de rádio
  • Código de barras foi criado para controlar vagões de trens

    A invenção atende pelo nome de Radio Frequency Identification (RFID), que em português significa "Identificação por Radiofreqüência". Dentro de pouco tempo, esta tecnologia será tão familiar quanto o próprio carrinho de supermercado. Além disso, estará presente em uma infinidade de produtos, de pizzas congeladas e refrigerantes a CDs e televisores.

    A RFID, que está cada vez mais difundida, se caracteriza por um microcircuito eletrônico que armazena informações sobre todos os tipos de objetos, e até de animais. Permite, além disso, a localização destes em poucos segundos, e a transmissão de seus dados a um dispositivo receptor situado a poucos metros ou a vários quilômetros de distância.

    Os sistemas RFID começaram sua caminhada durante a II Guerra Mundial, quando os aliados utilizaram aparelhos deste tipo para distinguir seus próprios aviões dos inimigos. Mas a invenção saltou do campo militar para o industrial na década de 90, quando o Massachussets Institute of Technology o aperfeiçoou e elaborou o código com o qual as informações são armazenadas em chips.

    A RFID já tem múltiplos usos: é usada tanto para localizar e identificar cabeças de gado ao ar livre como para encontrar livros nas bibliotecas.

    Mas sua aplicação em massa ocorrerá nas lojas e supermercados, onde os clientes só terão que passar suas compras sob um leitor, o qual, por meio de uma antena, enviará um sinal e ativará os chips dos produtos adquiridos para que enviem as informações armazenadas em seus circuitos. Com estes dados, o sistema calculará imediatamente o preço total da compra.

  • EFE
    EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.