2 eventos ao vivo

Novo Moto X pode disputar de igual pra igual com Galaxy S5

Motorola apresenta melhorias extensivas para a 2ª geração de seu smartphone de modo que é quase irresistível não usá-lo

12 out 2014
10h04
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Moto X</p>
Moto X
Foto: Motorola

O novo celular da Motorola premium, o Moto X, é a principal arma da companhia para tomar o mercado de LG, Samsung e, por que não, Apple. Em sua segunda geração, a companhia americana trouxe melhorias extensivas para o smartphone de modo que é quase irresistível não usá-lo.

A grande sacada do gadget é a personalização. Não apenas a personalização de layout e de aplicativos, amplamente utilizados por outros modelos premium, mas desde sua carcaça original, podendo trocar as proteções (shells) em até sete cores, até o sistema de assistência digital do Google Now, que aqui ganha o nome de “Moto Assist”.

A nova aplicação consegue interagir com YouTube, WhatsApp, SMS e Facebook. Ou seja, rodar e responder aos comandos do usuário utilizando apenas a voz.

E diferentemente do que acontece com o Cortana, que você pega um celular Lumia atualizado é o Cortana não está presente e não entende sua língua (algo que também acontece com o Siri, da Apple), o Moto Voz consegue entender o usuário em português e mais cinco línguas.

Por exemplo, se você pede “abrir vídeos no YouTube de Leonard Bernstein”, e estiver configurado em inglês e português, o sistema conseguirá entender com clareza. Ele ainda permite que o usuário escolha criar sua própria frase no lugar de “OK Google Now”. O ideal é que seja com pelo menos duas palavras, mas pode ser qualquer coisa desde “OK Moto X” até “Taca le pau”.

Já no Moto Assist, o aplicativo entende os hábitos do usuário por meio de buscas, ligações, mensagens e dá dicas ao usuário. Como horário certo para sair do serviço e não pegar trânsito, melhor caminho e silenciar o telefone enquanto você está dormindo.

O pacote de ações exclusivas do smartphone ainda tem o Moto Tela que mostra mensagens na tela no modo de espera, elas aparecem de modo discreto, ou seja sem muito risco de ter aquele pessoal visto por pessoas alheias.

Por fim, o Moto Ações permite ao usuário movimentar com a mão acima da tela do celular quando ele está tocando e não deseja atender, ou mesmo quando o alarme toca e deseja dormir mais um pouco - isso ajuda muito.

Essa modalidade também pode mostrar as notificações mais recentes com um simples gestão.

Especificações
Do lado das especificações, o Moto X da 2ª geração melhora em muito quando comparado a sua primeira versão. A câmera traseira passou de 10 para 13 megapixels e um íncrivel “anel de flash em LED” grava em 1080 pixels e consegue capturar em 4K. Por outro lado a câmera frontal continua a mesma câmera com 2 megapixels.

Não apenas o hardware da câmera melhorou, seu sistema de uso também está bem mais fácil. Ele ainda habilita com o gesto do pulso, mas as fotos agora estão mais nítidas. Além disso, com o Moto Voz é possível dar alguns comandos por voz com a câmera, como pedir para “tirar uma selfie”.

Outra melhoria extremamente positiva no Moto X é a sua tela. Antes de 4.7 polegadas e apenas 720 pixels de resolução, passou para um display de 5.2 polegadas com 1080 pixels. Além de ter o Gorilla Glass 3, mais resistente a impactos e mesmo pequenas quedas água - ele não é a prova d’água.

A qualidade de imagem é muito boa, e pode ser comparada a outros celulares premium, como Samsung Galaxy S5 e LG G3.

Funciona com 3G e 4G. Já vem com o Android 4.4 (KitKat) e mantém a experiência de Android Puro do modelo anterior, muito mais rápido que os outros celulares com o sistema operacional do Google.

Na parte mais pesada do hardware, o processador fica mais potente, passa de um quad-core de 1.7 GHz para um quad-core de 2.5 GHz, porém a memória continua com 2 GB - esse é o único ponto negativo, 1 GB de RAM ajudaria aqueles que gostam de rodar games e aplicativos pesados.

A bateria ganhou mais 0,1 mAh, e passou para 2,300 mAh, mais seu consumo ainda é rápido.

Resumo
O Moto X é uma ótima escolha para qualquer usuário que queria gastar mais de R$ 1 mil e menos de R$ 2 mil. A Motorola fez uma bom smartphone da primeira vez, com alguns lados negativos, como a câmera e a tela com uma resolução um pouco mais pobre que seus concorrentes.

Porém, nesta nova versão ele entra para disputar com os grandes do mercado, como Samsung Galaxy S5, LG G3, Sony Xperia Z3 e mesmo o iPhone 6.

Ele é um celular de primeira linha, com as melhores novidades de interação entre o usuário e o aparelho. São funções que vemos poucas vezes em smartphones, pois hoje as companhias pensam primeiro em produtos com telas maiores e melhores resoluções, e depois na usabilidade do usuário.

A Motorola fez o contrário, pensou no conceito do celular para usar com uma única mão ou mesmo sem as mãos. E depois projetou o hardware. Um exemplo disso e o design, com o símbolo da companhia metalizado e encurvado na parte de trás, para ficar o uso com apenas uma mão, para ser mais exato, apenas com o polegar.

Galaxy ou iPhone? Compare smartphones topo de linha Galaxy ou iPhone? Compare smartphones topo de linha

Custo/benefício
No fim das contas, o que pesa mais é o preço, R$ 1.499. É quase improvável para um usuário de smartphone no Brasil comprar um celular premium por menos de R$ 2 mil.

No entanto, por ter todas essas funcionalidades de voz e gestos, o celular é mais indicado para pessoas que estão em seu primeiro ou segundo smartphone, ou mesmo que já tenha o primeiro Moto X. Do contrário, será mais difícil para adaptar-se.

Veja também:

Veja como funciona a Bixby, assistente de voz da Samsung
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade