1 evento ao vivo

Obama: "mundo perdeu um visionário" com morte de Jobs

5 out 2011
22h54
atualizado em 6/10/2011 às 02h45

O presidente americano, Barack Obama, lamentou nesta quarta-feira a morte do cofundador da Apple Steve Jobs, que qualificou de um dos "maiores inovadores" dos Estados Unidos e um "visionário que o mundo perdeu".

Jobs participou de uma reunião com Obama com outros líderes da tecnologia em fevereiro
Jobs participou de uma reunião com Obama com outros líderes da tecnologia em fevereiro
Foto: Pete Souza / Divulgação

"Ele transformou nossas vidas, redefiniu indústrias inteiras e conseguiu uma das maiores proezas na história da humanidade: mudou o modo como vemos o mundo", disse Obama. O presidente lembrou que milhares de pessoas souberam da morte de Jobs por meio de algum dos dispositivos que ele inventou.

Steve Jobs participou da uma reunião de líderes da indústria de tecnologia com o presidente americano em fevereiro deste ano, semanas após anunciar uma licença de saúde por tempo indeterminado. O criador do Facebook, Mark Zuckergerg; o CEO do Google, Eric Schmidt; da Oracle, Larry Ellison; do Yahoo à época, Carol Bartz, e outros, também estiveram no encontro.

Steve Jobs morre aos 56 anos
O cofundador e ex-presidente do conselho de administração da Apple morreu nesta quarta-feira aos 56 anos, vítima de um câncer no pâncreas que vinha tratando desde 2003. Perfeccionista, criativo, inovador e ousado, ele ajudou a tornar os computadores mais amigáveis e revolucionou a animação, a música digital e o telefone celular. Jobs marcou o mundo da tecnologia ao apresentar produtos como o Macintosh, o iPod, o iPhone e o iPad. Afastado da empresa desde 17 de janeiro para cuidar da saúde e sem prazo para voltar, o executivo renunciou ao cargo em 24 de agosto. "Sempre disse que, se chegasse o dia que eu não pudesse mais cumprir minhas funções e expectativas como CEO da Apple, seria o primeiro a informar. Infelizmente, esse dia chegou", dizia a nota à época.

A saúde de Jobs virou notícia em 2004, quando ele anunciou que passara por uma cirurgia para remover um tipo raro de câncer pancreático, diagnosticado em 2003, e que a operação fora bem-sucedida. Depois, em 2009, Jobs fez um transplante de fígado e ficou afastado da companhia que fundou ao lado do engenheiro Steve Wozniak por vários meses. Mesmo com as licenças, Jobs continuou ativo na tomada de decisões da empresa, chegando se reunir a portas fechadas com o presidente americano, Barack Obama, em fevereiro, e lançar o iPad 2, em março, surpreendendo ao subir ao palco para apresentar o produto.

Detalhes do estado de saúde de Jobs sempre foram um mistério. Uma fotografia que mostrava o executivo muito magro e com aparência debilitada (sobre a qual recaíram suspeitas de manipulação) foi publicada pelo site americano de celebridades TMZ dois dias após ele ter deixado o cargo de presidente-executivo da Apple. Em fevereiro, Jobs foi fotografado pelo jornal americano The National Enquirer na mesma clínica onde o ator Patrick Swayze, morto em setembro de 2009, recebeu tratamento para câncer de pâncreas.

Com informações de agências internacionais.

Fonte: Terra
publicidade