2 eventos ao vivo

Saiba como desenvolver aplicativos para dispositivos móveis

16 nov 2012
08h40

Mais do que consumir, cresce o mercado daqueles que querem produzir seus próprios programas mobile. Em outubro, foi a vez da Microsoft lançar um portal para desenvolvimento de apps, a exemplo do que já é promovido pelo Google, pela Apple e pela Blackberry. Destinadas prioritariamente a interessados em comercializar aplicativos, essas páginas também são frequentadas por usuários curiosos e interessados em ter um recurso personalizado.

O mercado de desenvolvimento de aplicativos está em plena expansão
O mercado de desenvolvimento de aplicativos está em plena expansão
Foto: Shutterstock



Em geral, o desenvolvimento de apps requer conhecimento prévio de programação. O que se torna ainda um pouco mais complicado porque cada sistema operacional tem uma linguagem e uma ferramenta de desenvolvimento diferentes. A linguagem nativa do iOS é o Objective-C, a qual é utilizada somente pela Apple. Segundo o fundador do Instituto de Artes Interativas (iart?), de São Paulo (SP), Lucas Longo, devido à restrição de uso, essa tecnologia é pouca conhecida até mesmo por profissionais e estudantes de TI, o que motivou a criação de cursos especializados. Já o Android e o Blackberry utilizam o Java, enquanto o Windows Phone usa o C#, os quais são mais conhecidos pelo pessoal da computação.



De acordo com Lucas Longo, dentre as plataformas, a mais simples para usuários não especializados é o Windows Phone. No entanto, segundo ele, o desenvolvimento de apps exige um conhecimento prévio de programação. O especialista considera o iOS a plataforma mais vantajosa, pois ¿é o mais desejado e onde o público consome absurdamente mais com aplicativos¿. Para o professor de tecnologias móveis do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, Nelson Glauber Vasconcelos Leal, os dispositivos também detêm diferenciações de usabilidade, como é o caso do Android que é utilizado, em parte, por aparelhos sem nenhum botão físico. Além disso, para ele, é necessário ter conhecimento prévio de inglês, pois as plataformas e os suportes são disponíveis, em sua maioria, apenas nessa linguagem. O professor do iart? avalia que desenvolver apps com animações, transições de tela e efeitos gráficos é mais fácil no iOS e Windows. Além disso, os dois sistemas operacionais são mais fáceis de testar porque há pouca variação nos modelos que os aceitam (no caso do iOS, apenas iPhones ou iPads). Já ao programar no Android, é preciso considerar os diversos aparelhos que suportam o sistema.



Empresas oferecem plataformas online

As empresas oferecem plataformas online para desenvolvimento de apps, com informações e tutoriais de apoio para o usuário. No entanto, das quatro principais empresas, apenas a Microsoft disponibiliza o conteúdo em português. No espaço Apple Developer, o usuário pode se inscrever gratuitamente para acessar conteúdos de apoio, como materiais em pdf e vídeos. Com um custo de US$ 99 anuais, também está disponível uma versão mais especializada, o Apple Developer Program, que permite benefícios adicionais, como acessar versões beta do iOS e publicar na App Store.



Para publicar na loja da marca é necessário, no entanto, submeter o programa para aprovação e pagar uma comissão de 30% do total arrecadado. O serviço é disponível somente em inglês. Já o desenvolvimento para Blackberry pode ser feito de duas maneiras: por meio da plataforma online da empresa, a Blackberry Developmer Zone, ou do programa disponível para download, o Blackberry Java 7.1 SDK. A empresa cobra US$ 200 para disponibilizar até 10 aplicativos no Blackberry App World. O Android, por sua vez, tem a plataforma de apoio Google App Inventor e cobra taxa de 30% por cada app vendido. A Windows cobra US$ 99 para o desenvolvimento ilimitado de apps pagos e até cinco gratuitos. Além disso, também cobra uma taxa de 30% sobre cada venda.



Sites facilitam quem sabe pouco de programação


Para aqueles que detêm pouco conhecimento de programação nem tudo está perdido. Estão disponíveis, na internet, páginas que possibilitam o desenvolvimento de apps de forma simplificada. É o caso da plataforma Universo.mobi, que dispõe de uma interface interativa, por meio da qual o usuário selecionada 10 recursos, como galeria de áudio, álbum de fotos, twitter, mural, podcast, dentre outros. Compatível com iOS, Android e OS Blackberry, o serviço é oferecido de forma gratuita ou paga, com preços que variam entre R$9,99 e R$699,99 conforme o plano assinado. No entanto, de acordo com o Leal, essas alternativas são pouco qualificadas, pois permitem uma criação bastante limitada, com base em alternativas já pré-definidas. Lucas Longo concorda e complementa: "não é possível customizar satisfatoriamente a interface para se destacar no mercado. Não é como um website em que o básico já serve, em mobile é sempre necessário ter algum diferencial".



A outra opção para quem não detém conhecimentos de programação é contratar empresas especializadas. De acordo com o diretor da empresa de desenvolvimento de apps Live Touch, Márcio Pssarbo, a procura por esse tipo de serviço dobrou neste ano. Segundo ele, a maioria dos interessados nesse trabalho são empresas, mas a companhia também presta serviço para pessoas físicas. Em muitos casos, os interessados não têm muitas noções de programação, limitando-se a enviar um briefing com a ideia geral.

Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra
publicidade