PUBLICIDADE

Problemas com BlackBerry irritam executivos nos EUA

12 out 2011
20h25 atualizado às 21h46
20h25 atualizado às 21h46
Publicidade

Um alto executivo de um banco de investimentos de Wall Street passou a manhã de quarta-feira enviando e-mails pelo seu BlackBerry. E as mensagens passaram a manhã toda voltando. "É uma dessas coisas - você não percebe quão importante é respirar até um dia não conseguir mais", disse o executivo de Nova York, que pediu anonimato por não estar autorizado por seu banco a falar sobre o assunto.

Ele é um dos milhões de usuários do BlackBerry em várias regiões do mundo que foram afetados por problemas no serviço nos últimos três dias. Na quarta-feira, foi a vez dos usuários do popular aparelho na América do Norte enfrentarem transtornos.

Os manda-chuvas de Wall Street e outros profissionais que tendem a passar mais tempo no BlackBerry do que talvez com suas famílias ficaram irritados com a interrupção do serviço. O fato pode levar mais empresas e escritórios de advocacia a começarem a usar aparelhos rivais, como o iPhone, da Apple, ou smartphones equipados com o sistema Android, do Google. E isso seria uma péssima notícia para a Research in Motion (RIM), fabricante do BlackBerry, que já vem perdendo participação no mercado.

O escritório de direito DLA Piper, com 4,2 mil advogados no mundo todo, está acelerando suas discussões sobre adotar o iPhone ou celulares com o Android, segundo Don Jaycox, diretor de informação da empresa.

"(O defeito do BlackBerry) colocou isso na berlinda", disse Jaycox. "Vai levar mais gente a optar por outras escolhas".

Vários bancos de Wall Street já permitem que seus empregados usem outros equipamentos para acessarem as redes das empresas. O Credit Suisse disse neste ano que autorizaria o uso de equipamentos da Apple e de celulares Android. O Barclays Capital já permite que alguns empregados usem iPhones e iPads. O Standard Chartered trocou o BlackBerry pelo iPhone para muitos usuários há vários meses.

No Sagent Advisors, um banco de investimentos independente em Nova York, 10 a 15% dos usuários já passaram para o iPhone, e um número semelhante adotou equipamentos com sistema Android.

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira, a fabricante do BlackBerry afirmou que trabalha para resolver a interrupção global dos serviços que já dura três dias.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade